sábado, 7 de setembro de 2019

Comunicação perdida com sonda indiana que deveria pousar na Lua


A Índia perdeu, neste sábado, a comunicação com sua sonda pouco antes do horário em que ela deveria pousar perto do polo sul da Lua, informou a agência espacial do país.
A descida do Vikram estava em andamento conforme o planejado e foi observado um desempenho normal", disse o presidente da Organização Indiana de Pesquisa Espacial (ISRO), K. Sivan, na sala de controle da cidade de Bangalore.

Leia também:
Missão indiana Chandrayaan-2 se prepara para realizar pouso na Lua
Chegada do homem a lua influenciou a cultura
Os 50 anos da chegada do homem à lua 

"Posteriormente, a comunicação do lander para a estação terrestre foi perdida. Os dados estão sendo analisados", afirmou.

A bordo do Vikram viaja um pequeno jipe robótico, o Pragyan ("sabedoria", em sânscrito). Em solo, a missão deve durar apenas 14 dias, o equivalente ao tempo em que o Sol estará brilhando na região de pouso (nenhum deles está equipado para lidar com as temperaturas de -170 °C a que seus sistemas serão submetidos durante a noite lunar).

Em órbita, contudo, o trabalho prosseguirá. A Chandrayaan-2 deve continuar operando por pelo menos um ano, possivelmente dois, realizando observações científicas da Lua.



A Índia perdeu, neste sábado, a comunicação com sua sonda pouco antes do horário em que ela deveria pousar perto do polo sul da Lua, informou a agência espacial do país.
A descida do Vikram estava em andamento conforme o planejado e foi observado um desempenho normal", disse o presidente da Organização Indiana de Pesquisa Espacial (ISRO), K. Sivan, na sala de controle da cidade de Bangalore.

Leia também:
Missão indiana Chandrayaan-2 se prepara para realizar pouso na Lua
Chegada do homem a lua influenciou a cultura
Os 50 anos da chegada do homem à lua

"Posteriormente, a comunicação do lander para a estação terrestre foi perdida. Os dados estão sendo analisados", afirmou.

A bordo do Vikram viaja um pequeno jipe robótico, o Pragyan ("sabedoria", em sânscrito). Em solo, a missão deve durar apenas 14 dias, o equivalente ao tempo em que o Sol estará brilhando na região de pouso (nenhum deles está equipado para lidar com as temperaturas de -170 °C a que seus sistemas serão submetidos durante a noite lunar).

Em órbita, contudo, o trabalho prosseguirá. A Chandrayaan-2 deve continuar operando por pelo menos um ano, possivelmente dois, realizando observações científicas da Lua.

Comente com o Facebook:

0 comentários:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.