quarta-feira, 23 de janeiro de 2019

Grande Recife apresenta proposta de aumento de 7,07% na tarifa de ônibus a partir de domingo


Proposta do Grande Recife será debatida na próxima sexta (25) pelo Conselho Superior de Transporte Metropolitano (CSTM)



Grande Recife Consórcio de Transporte Metropolitana (GRCTM) apresentou, nesta terça-feira (22), proposta de reajuste de 7,07% nas tarifas dos ônibus que circulam pela Região Metropolitana do Recife (RMR). O anúncio, por meio de nota [veja abaixo], veio um dia após o Sindicato das Empresas de Transportes de Passageiros de Pernambuco (Urbana-PE) apresentar proposta de aumento de 16,18%. A proposta do Grande Recife será debatida na próxima sexta (25) pelo Conselho Superior de Transporte Metropolitano (CSTM), no Recife.

Caso o preço da passagem aumente 7,07%, o valor do Anel A passará de R$ 3,20 para R$ 3,45, e o Anel B saltaria de R$ 4,40 para R$ 4,70 a partir da 0h deste domingo (27). De acordo com o GRCTM, mesmo que seja reajustada, a tarifa da RMR "será a mais barata do País entre as que já foram reajustadas e a sexta levando em consideração os valores vigentes".

Ainda segundo o Grande Recife, a proposta de reajuste corresponde a um índice inferior à inflação do período de dezembro de 2016 a dezembro de 2018, que foi de 7,12%, e menos da metade da proposta da Urbana-PE. O consórcio também informou que a tarifa de ônibus na RMR não sofre aumento desde janeiro de 2017 e que considerou que, nos últimos dois anos, "itens da planilha de custos tiveram aumentos que impactaram na proposta de recomposição da passagem, como o aumento do óleo diesel (8,39%), o acordo coletivo da categoria (7,07%) e o custo do veículo-padrão (5,51%)".

Ato contra aumentoPor meio de nota, a Articulação Recife pelo Transporte repudiou e considerou ilegal "qualquer proposta de aumento da passagem anunciada neste início de ano". Para o movimento, as propostas de reajustes "não respeitam" o índice do IPCA de 3,75% para o acumulado de 2018. "O valor atual da passagem deveria ser R$ 2,70, uma vez que os últimos três aumentos de 2015, 2016 e 2017 foram acima do IPCA destes anos. Hoje, a população da Região Metropolitana do Recife paga 15% a mais no valor da tarifa, sacrificando cerca de 17% dos seus gastos apenas com transporte público", informa a nota.

Frente de Luta pelo Transporte Público de Pernambuco (FLTP) organiza, na próxima quinta (24), um protesto para promover um diálogo com a população sobre as mudanças no transporte público. O ato está marcado para as 11h na frente da agência dos Correios, na avenida Guararapes, no bairro de Santo Antônio, na área central da capital pernambucana. Os organizadores ainda não informaram sobre o percurso e interferência no trânsito da cidade.

De acordo com a FLTP, houve irregularidades na reunião do Conselho Superior de Transporte Metropolitano (CSTM), pois "não foi oportunizado aos conselheiros, representantes da sociedade civil, apresentarem propostas para o encontro, tais como, paridade no órgão, tarifa única (bandeira do governador) e aumento zero". 

Na última sexta-feira (18), o Ministério Público de Pernambuco (MPPE) já havia começado a investigar o CSTM sobre possíveis irregularidades e ilegalidades na gestação e na 3ª conferência da instituição, realizada em 2018, quando houve a escolha de novos integrantes.

Confira a nota do Grande Recife na íntegra:

Na próxima sexta-feira (25/01), o Conselho Superior de Transporte Metropolitano deliberará sobre as propostas de recomposição tarifária para o transporte público de passageiros na Região Metropolitana do Recife (RMR). A proposta de reajuste do Grande Recife Consórcio de Transporte é de 7,07%, índice inferior à inflação do período de dezembro de 2016 a dezembro de 2018, que foi de 7,12%, e menos da metade da proposta apresentada pelo Sindicato das Empresas de Transportes de Passageiros de Pernambuco (Urbana-PE), que solicitou um reajuste de 16,18%. Vale destacar que não há aumento na tarifa desde janeiro de 2017.

Nos últimos 24 meses, itens da planilha de custos tiveram aumentos que impactaram na proposta de recomposição da passagem, como o aumento do óleo diesel (8,39%), o acordo coletivo da categoria (7,07%) e o custo do veículo-padrão (5,51%). Os estudos do Consórcio também contemplam a renovação de 655 veículos que estão com a vida útil acima da idade estabelecida. No entanto, com o objetivo de repassar para o usuário o menor reajuste possível, o Governo do Estado continuará subsidiando os custos com concessão, gestão, fiscalização, terminais integrados, estações de BRT, linhas alimentadoras, passe livre estudantil e ICMS do óleo diesel e dos ônibus novos, que correspondem a um aporte financeiro de R$ 253,5 milhões.

Caso a proposta do Grande Recife seja aprovada, a tarifa da RMR será a mais barata do país, entre as que já foram reajustadas, e a sexta levando em consideração os valores vigentes. Dessa forma, o Anel passará de R$ 3,20 para R$ 3,45; o B, de R$ 4,40 para R$ 4,70; e o G, de R$ 2,10 para R$ 2,25. Já o Anel D, cuja tarifa é R$ 3,45, deixará de existir e as quatro linhas que o compõem passarão a ter como tarifa o Anel A. É importante destacar que os valores acima estão arrendados, mas precisam ser validados pela Agência Estadual de Regulação de Serviços Delegados de Pernambuco (Arpe) e passarão a valer a partir da 0h deste domingo (27/01).

Comente com o Facebook:

0 comentários:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.