segunda-feira, 18 de novembro de 2019

Equoterapia estimula a coordenação motora e trabalha as emoções


Difundido no Brasil há 30 anos, método terapêutico com cavalos melhora a sociabilidade e o desenvolvimento cognitivo de pessoas com alterações neurológicas.

 Bruno Cardoso, 15, tem autismo e faz equoterapia há seis anos

 Grande, rápido e forte, o cavalo é um animal de diversas utilidades que, de tão presente no cotidiano, faz parte da história. Da Antiguidade à Revolução Industrial, o quadrúpede foi um importante meio de transporte utilizado nas guerras e na agricultura, carregando soldados nas batalhas e levando passageiros e mercadorias do interior às cidades. Hoje, além de todos esses usos, a ciência já reconhece o quanto esse mamífero que se alimenta de folhas e capim pode ser valioso para a saúde da mente, principalmente para a sociabilidade e o desenvolvimento cognitivo de crianças com deficiência.

Assim como as cores, a música e os cães, também existe um modelo terapêutico com cavalos: a equoterapia. O termo, que vem de “equino”, refere-se a uma prática difundida no Brasil desde 1989 que estimula diferentes funções do corpo a partir da cavalaria. O método tem como foco a reabilitação de quem sofre com distúrbios sensoriais, motoras, emocionais e comportamentais.

“A equoterapia pode beneficiar crianças, adultos ou idosos e são muitas as patologias e alterações que podem ser tratadas, como paralisia cerebral, autismo, síndrome de Down, microcefalia, disfunções motoras, além de depressão e alterações no processo pedagógico”, explica a fonoaudióloga e equoterapeuta Geórgia Véras, diretora do Centro Elohim de Equoterapia (CEEQ).

Localizado na Coudelaria Souza Leão, no bairro da Várzea, Zona Oeste do Recife, o CEEQ é o único espaço dedicado ao método na Capital que oferece o serviço gratuitamente para quem não pode pagar por meio de parcerias com empresas privadas. A prática só não é indicada para quem tem desvios graves de coluna, como lordose e cifose, problemas cardíacos que não estejam controlados ou disfagia, que consiste na dificuldade de digerir os alimentos.

O principal benefício do ato de cavalgar é o fortalecimento do tônus, a capacidade muscular de manter o corpo firme. Segundo Geórgia Véras, isso acontece porque a própria passada do cavalo é semelhante ao caminhar humano. “O passo do cavalo é simétrico ao nosso. O movimento do quadril é igual ao nosso, tridimensional, para frente e para trás, para um lado e para o outro, para cima e para baixo. Quando estamos montados, temos essa sensação como se estivéssemos andando. Então as pessoas que não têm isso por alguma alteração neurológica são estimuladas pelo corpo do cavalo, reorganizando as conexões neurológicas”, detalha a especialista.

Comente com o Facebook:

0 comentários:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.