sexta-feira, 26 de julho de 2019

MPPE busca recuperar dinheiro desviado de instituto de Previdência de Orobó


Operação Greed aponta um esquema fraudulento de pelo menos R$ 2,5 milhões nos cofres públicos da cidade do Agreste pernambucano


O esquema de fraudes de pelo menos R$ 2,5 milhões no Instituto de Previdência do Município de Orobó (Ipreo), no Agreste do Estado, foi detalhado pelo Ministério Público de Pernambuco (MPPE) em coletiva de imprensa realizada no Recife nesta sexta-feira (26). A segunda fase da Operação Greed (ganância, em inglês) busca recuperar o dinheiro desviado desde 2015 dos cofres públicos da cidade.
Os desvios mensais foram progredindo durante as atividades criminosas do grupo e o esquema prejudicou pedidos de aposentadoria dos servidores da cidade. "Muitos servidores queriam se aposentar, mas não conseguiam porque não tinha dinheiro em caixa e o instituto estava com a saúde financeira debilitada", detalhou o promotor do Grupo de Atuação Especial de Combate às Organizações Criminosas (Gaeco) do MPPE, Sérgio Tenório de França. "Muito dinheiro foi desviado e precisa ser rastreado e restituído ao instituto", acrescentou.

Leia também:
Quadrilha suspeita de tráfico e homicídios em Paudalho é alvo de operação
Suspeito de tentar estuprar e matar mulher é preso em Orobó, no Agreste

O líder da organização criminosa era o então administrador do Ipreo, Gustavo José da Silva. Ele foi preso na última terça-feira (23), assim como a sua esposa, Mirian Gizele de Abreu Arruda; e os amigos Vanelly Priscilla Rodrigues da Silva Ramos e José Arthur Barbosa dos Santos. Também foi presa a amiga de Gustavo Jéssica Celerino dos Santos, que se entregou à polícia nessa quinta-feira (25). Outro investigado, Jailson Flor da Silva foi liberado e cumprirá medidas cautelares. Ao todo, as duas fases da operação já cumpriram cinco mandados de prisão e 13 mandados de busca e apreensão. 

Os investigados são apontados como integrantes de uma organização criminosa suspeita de peculato e lavagem de dinheiro. As quantias saiam todo mês do Ipreo e eram transferidas para três empresas ligadas a Gustavo, que inseriu os nomes de pessoas não contribuintes na folha de pagamentos de aposentados. "Eram pessoas estranhas ao Ipreo. As investigações começaram com uma denúncia realizada na Ouvidoria do MPPE", acrescentou o promotor.

Durante a operação - que cumpriu mandados em Orobó, no Recife, em Abreu e Lima, Paulista e Vitória de Santo Antão, em Pernambuco; Umbuzeiro, na Paraíba; e Chapecó, em Santa Catarina - ainda foi preso um conselheiro tutelar encontrado com armas e munições em uma das empresas com mandado de busca e apreensão expedido.

Entre o material apreendido, um cofre encontrado em uma das empresas, localizada em Vitória de Santo Antão. Esse equipamento será periciado na próxima segunda-feira (29). O promotor Sérgio reforça a importância das denúncias de servidores para combater fraudes similares. "Qualquer denúncia deve ser encaminhada para que o Ministério Público possa fiscalizar", recomendou Sérgio Tenório.

Os homens presos foram levados para o Centro de Observação e Triagem Professor Everardo Luna, em Abreu e Lima, na Região Metropolitana do Recife (RMR). Já as mulheres estão presas na Colônia Penal Feminina, no bairro da Iputinga, na Zona Oeste do Recife. Todos tiveram suas prisões preventivas decretadas. Caso condenados, a soma das penas podem atingir 30 anos.

Comente com o Facebook:

0 comentários:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.