terça-feira, 6 de agosto de 2019

Moradores de área de risco em Abreu e Lima pedem soluções e criticam valor de auxílio-moradia


A Folha de Pernambuco conversou com pessoas que precisaram sair de suas casas no Córrego da Areia, em Caetés I, após deslizamento de barreira no dia 24 de julho



A dificuldade para chegar ao Córrego da Areia, em Caetés I, Abreu e Lima, persiste. Treze dias depois do temporal que matou 12 pessoas em deslizamentos de terra no Grande Recife, a lama prevalece no local onde morreram cinco vítimas, quatro delas da mesma família. O barro molhado, armadilha para os carros que tentam passar por ali, se mistura à parte restante dos destroços das quatro casas derrubadas pela chuva. 

Nesse cenário, a Folha de Pernambuco conversou com alguns dos moradores da comunidade que tiveram de deixar suas casas. Apreensivos com o futuro, eles cobram obras de prevenção contra desmoronamentos nas encostas e criticam o valor do auxílio-moradia oferecido pela prefeitura, de R$ 150. 

“Não tem condições de encontrar um aluguel nesse valor”, lamenta Lindinalva Cândida Pereira, 41, que agora mora na casa de uma amiga. Andando de galocha, ela corre em meio à burocracia para recuperar os documentos que perdeu e dar entrada no auxílio. “Eu tenho que levar o proprietário lá [à prefeitura], levar documentação, para depois receber a merreca. É triste”, desabafa.

“Onde é que tem uma casa de R$ 150?”, também questiona o aposentado José Luiz da Mota, 70, que agora vive nas dependências de uma igreja evangélica em Caetés 3. A barreira, que fica de frente para a casa dele, entrou no térreo e no quintal e por pouco não desmoronou toda a estrutura. O chão da residência ficou coberto de lama. Para José Luiz, é possível continuar morando no local desde que sejam feitas canaletas no ponto da encosta que cedeu mesmo com os muros de arrimo. “Até agora não chegaram com o trator para abrir a canaleta”, conta.

[PODCAST] Ouça a entrevista com o engenheiro ambiental Rodolfo Alves na Rádio Folha FM 96,7 sobre as causas das enchentes nas cidades.

Comente com o Facebook:

0 comentários:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.