terça-feira, 27 de agosto de 2019

Morte de Dom Helder Câmara completa 20 anos


Na próxima semana, postulador da causa vai ao Vaticano para checagem de documentos da fase diocesana do processo de canonização



Cearense de nascimento, foi em Pernambuco que Dom Helder Câmara escreveu seu nome na história como um expoente da promoção da paz, que lhe rendeu quatro indicações ao Prêmio Nobel. Arcebispo entre 1964 e 1985, conduziu os fiéis da Arquidiocese de Olinda e Recife durante o período da Ditadura Militar e teve um forte envolvimento com as causas sociais, principalmente com os mais pobres. Há exatos 20 anos, em 27 de agosto de 1999, morreu aos 90 anos, no Recife.

As duas décadas de morte de Dom Helder serão relembradas com uma missa presidida pelo atual arcebispo de Olinda e Recife, Dom Fernando Saburido. A celebração será realizada a partir das 19h30 desta terça-feira (27), na Catedral da Sé, em Olinda, na Região Metropolitana do Recife. Após a missa, a igreja organiza uma sessão de autógrafos de dois livros resultantes da dissertação do mestrado em Ciências da Religião da Universidade Católica de Pernambuco (Unicap). 


Postulador da causa de canonização do Dom da Paz, como Dom Helder era chamado, o frei Jociel Gomes conta que na quinta-feira (5/9) viajará ao Vaticano, onde se encontrará com o frei italiano Carlo Calloni, nomeado por Dom Fernando Saburido para ficar à frente do processo na fase romana das investigações. Os documentos da fase diocesana enviados ao Vaticano em dezembro do ano passado serão vistoriados pela Congregação para a Causa dos Santos. “Vamos na congregação ver a documentação produzida na Arquidiocese e verificar se tudo está de acordo com as normas da Santa Sé. Estando de acordo será emitido o Decreto de Validade Jurídica”, explica frei Jociel. 

Após a checagem do dossiê de cerca de 2 mil páginas, um relator será nomeado pelo Vaticano para emitir a positio, um documento que reunirá a biografia de Dom Helder e a defesa de suas virtudes cristãs, um tipo de resumo do material enviado anteriormente. “Com um período de dois ou três meses deve sair o decreto. Esse documento é muito importante”, acrescenta frei Jociel. O resultado da positio concederá o título de Venerável ao religioso. 

Enquanto a causa avança, relatos de graças ou possíveis milagres alcançados pela intercessão de Dom Helder chegam na Arquidiocese, segundo o frei Jociel. “Um milagre para a Igreja tem que ser algo que a ciência e a medicina não expliquem”, detalha. Esses possíveis milagres passam a ser compilados pela Igreja e serão posteriormente analisados por uma junta de especialistas. Para ser beato, o “candidato” precisa ter um relato de milagre comprovado. Um segundo milagre garante a canonização.

“Pelo seu testemunho de vida e santidade, nos deixa o legado de alguém que viveu de forma profundamente evangélica, seguindo os ensinamentos de Jesus Cristo, principalmente na opção preferencial pelos pobres, pelos excluídos, pelos marginalizados”, disse frei Jociel, ao citar qual legado deixou Dom Helder.

Presidente da Comissão de Justiça e Paz da Arquidiocese de Olinda e Recife e do Instituto Dom Helder Câmara (IDHeC), Antônio Carlos Maranhão destaca o legado do arcebispo, que permanece vivo na memória do povo mesmo passados 20 anos de seu falecimento. “Dom Helder continua sendo lembrado e admirado no Brasil e no mundo”, relembrou. “A sua defesa intransigente pelos direitos humanos, pela justiça e pela paz no mundo foram marcas em sua vida inteira. A mensagem continua firme”, continuou.
PUBLICIDADE

Comente com o Facebook:

0 comentários:

Postar um comentário

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.